Sobre a Esec de Maracá-Jipioca


Criada pelo decreto nº. 86.061, de 02 de junho de 1981, a Estação Ecológica de Maracá Jipioca (EEMJip) engloba as ilhas Maracá Norte, Maracá Sul e Jipioca (Figura 1). Está localizada no litoral do município de Amapá, perfazendo uma área de 72 mil hectares. A EEMJip é a única Unidade de Conservação (UC) de proteção integral, totalmente inserida em ambiente costeiro na região amazônica. Sua criação tem a finalidade de proteger amostras significativas de formações primárias como os manguezais e campos alagados, resguardando populações relativamente isoladas de diversos representantes da fauna brasileira, além de servir como área de reprodução e de alimentação de diversas aves migratórias, algumas ameaçadas de extinção, como o flamingo e o guará. Apresenta um elevado estágio de conservação de sua biodiversidade, abrigando abundante população de macro-predadores como a onça pintada (Panthera Onca), além de rebanhos do Peixe Boi Marinho (Trichechus manatus) e grandes cardumes de botos cinzas (Sotalia fluviatilis).
Devido a dinâmica do ambiente estuarino, a EEMJip sofre intenso processo erosivo em sua borda leste, resultando em pequena diminuição da área emersa. Essa erosão vem colmatando diversos trechos da unidade impedindo, por vezes, a navegação em trechos antes navegáveis. Ao de sua existência, a ilha de Jipioca foi totalmente erodida, tendo sua vegetação totalmente destruída. A ilha deu lugar a um banco de areia lamoso, totalmente exposto nas marés de menor amplitude na época seca. Em determinados períodos, apresenta-se colonizado por vegetação rasteira (paraturá - Remirea maritima) muito apreciada pelo Trichechus manatus